Topo
O site do Hospital Beatriz Ângelo usa cookies para assegurar uma experiência de utilização adequada e para conhecer o fluxo de visitas e suas características.
Ao navegar neste site está a consentir a utilização de cookies. Para mais informações consulte a Política de Cookies.
Serviço Nacional de Saúde
República Portuguesa

Hospital Beatriz Ângelo

Navegação Principal do site

 
 
 
 
 

80 pessoas fazem rastreio do cancro de pele no HBA

2018-05-18

80 pessoas fazem rastreio do cancro de pele no HBA

O Hospital Beatriz Ângelo (HBA), em Loures, realizou rastreios de cancro de pele abertos à população em geral, para assinalar o Dia do Euromelanoma, a 16 de maio. Foram atendidas cerca de 80 pessoas, algumas das quais foram encaminhadas para consulta da especialidade de dermatologia.

O Euromelanoma é uma rede de partilha de informação entre profissionais de saúde de mais de 30 países da Europa. O melanoma, apesar de menos comum, é o tipo mais grave de cancro de pele, sendo responsável por mais de dois terços das mortes por cancro cutâneo. Pode parecer um sinal comum da pele, no entanto pode ter características que o diferenciam desses sinais.

Estes rastreios no HBA – inseridos numa iniciativa organizada pela Associação Portuguesa do Cancro Cutâneo, à qual aderiram 50 unidades de saúde de todo o país – foram alvo de uma reportagem da RTP1, durante o programa ‘Portugal em Direto’, que entrevistou Paulo Lamarão, diretor do Serviço de Dermatologia do hospital, bem como algumas das pessoas aqui atendidas. O médico especialista salientou, por seu turno, a importância destes rastreios como forma de se «detetar de forma precoce o cancro de pele, o que é fundamental para um tratamento mais eficaz», e aconselhou o autoexame regular dos sinais da pele («uma vez por mês, ou de dois em dois meses»).

Paulo Lamarão recordou ainda a necessidade de se adotarem comportamentos que previnam o aparecimento do cancro de pele: «A maior parte dos cancros cutâneos surge devido à exposição solar no passado, seja exposição contínua, seja aquilo que designamos como ‘escaldão’. É importante, no nosso dia-a-dia, evitar essa exposição solar – como usar vestuário adaptado, aplicar protetor solar com fator de proteção elevado (superior a 30) e adaptar horários (fazer atividade física, por exemplo, ao início da manhã ou no final da tarde)».

 

voltar
 
 
Luz Saúde, S.A., Sociedade Aberta © 2018