Topo
Este site usa cookies
Os cookies que usamos permitem usufruir de todas funcionalidades e ter uma boa experiência de utilização. Os cookies essenciais são imprescindíveis para o bom funcionamento do site e só podem ser desativados alterando as preferências do browser. Os cookies analíticos recolhem e analisam informação sobre a utilização do site, de forma anónima, que nos ajuda a melhorar a experiência de navegação.
Aceita cookies analíticos?
Serviço Nacional de Saúde
República Portuguesa

Hospital Beatriz Ângelo

Navegação Principal do site

 
 
 
 
 

Profissionais do HBA coautoras de guias para doentes com esclerose múltipla

2019-05-10

Profissionais do HBA coautoras de guias para doentes com esclerose múltipla

Ana Matilde Cabral e Rita Simões, enfermeira e médica neurologista do Hospital Beatriz Ângelo, respetivamente, integram o grupo de profissionais que elaborou um conjunto de guias práticos para ajudar os doentes com esclerose múltipla a conhecerem a doença e a adaptarem-se às terapêuticas de que necessitam, melhorando assim a sua qualidade de vida. O HBA e o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra são os hospitais onde os guias vão ser implementados numa primeira fase, em sessões educativas em grupo, orientadas por enfermeiros que trabalhem nesta área.

O projeto ‘Percursos na esclerose múltipla – Olhar, pensar e agir na esclerose múltipla’ é apoiado pela farmacêutica Novartis e recebeu já a certificação da Organização Internacional de Enfermeiros de Esclerose Múltipla (IOMSN). São coautoras destes guias as enfermeiras Berta Augusto, Isabel Ribeiro e Liliana Escada, do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. Participaram igualmente numa primeira fase do projeto, a nutricionista Ana Raimundo e a neuropsicóloga Sara Cavaco (Centro Hospitalar Universitário de S. João, Porto).

Recorrendo a metáforas e analogias sobre a condição da esclerose múltipla e as suas implicações na vida do doente e família/cuidador, cada guia é dedicado a um tema: ‘Gestão da doença’ (que aborda os principais sintomas, os mecanismos fisiopatológicos, os tipos de doença, factos, mitos e consequências sociais), ‘Estilo(s) de vida saudável’ (alimentação, exercício físico, atividades recomendadas e não recomendadas); ‘Gestão de sintomas’ (conselhos para gerir sintomas sensitivos, sexuais, cognitivos e motores, entre outros) e ‘Tratamento e adesão à terapêutica’ (formas de administração e posologias das terapêuticas disponíveis).

«Sendo a educação terapêutica um pilar fundamental na capacitação das pessoas para a gestão da sua doença, as sessões de educação em grupo dinamizadas com a utilização destes guias permitirão conhecer melhor o que estas pessoas pensam e sabem sobre a sua doença e identificar os significados, crenças e mitos dificultadores do seu processo adaptativo», explica Ana Matilde Cabral. «Os guias podem ser usados de várias formas e a sua aplicação deve ir ao encontro das necessidades e recursos de cada serviço. Cada profissional de saúde vai decidir quando utilizar, qual a utilizar e quantas sessões planear com estas ferramentas», acrescenta.
 

voltar