Topo
Este site usa cookies
Os cookies que usamos permitem usufruir de todas funcionalidades e ter uma boa experiência de utilização. Os cookies essenciais são imprescindíveis para o bom funcionamento do site e só podem ser desativados alterando as preferências do browser. Os cookies analíticos recolhem e analisam informação sobre a utilização do site, de forma anónima, que nos ajuda a melhorar a experiência de navegação.
Aceita cookies analíticos?
Serviço Nacional de Saúde
República Portuguesa

Hospital Beatriz Ângelo

Navegação Principal do site

 
 
 
 
 

Quedas de doentes: enfermeiros do HBA publicam investigação

2019-08-29

Quedas de doentes: enfermeiros do HBA publicam investigação

Três enfermeiros do Hospital Beatriz Ângelo analisaram os casos de quedas de doentes aqui internados entre 2015 e 2016 para investigar a relação entre os danos físicos daí resultantes e a toma de medicamentos que aumentam o risco de hemorragia. Os resultados são analisados num artigo publicado na edição de julho da Salutis Scientia, a revista de Ciências de Saúde da Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa.

Luísa Caldas (enfermeira coordenadora do HBA), Joel Monteiro (ex-enfermeiro no HBA e atualmente no Centro Hospitalar Tondela-Viseu) e Luís Sousa (Internamento do HBA) começam por identificar o seu ponto de partida: "Sendo conhecidos os fatores que interferem no risco de queda em geral e a nível hospitalar, o mesmo não se passa no que diz respeito aos fatores ligados aos danos. Em muitas situações de doença e internamento, há concomitantemente necessidade de terapêutica anticoagulante que, por si, aumenta a probabilidade de lesões hemorrágicas, constituindo uma preocupação acrescida”.

Por isso, estes profissionais decidiram "comparar o grau de danos físicos decorrentes de quedas em doentes medicados com terapêutica anticoagulante e/ou antiagregante plaquetária versus os que não tomam esta terapêutica”.

Conclusões:

  • "Há uma correlação quase perfeita entre a ocorrência de danos decorrentes de quedas, em particular nos doentes medicados com anticoagulantes ou duplamente medicados com anticoagulantes e antiagregantes plaquetários, para as lesões mais graves (dano moderado, grave ou morte)».
  • "O risco de queda aumenta com a idade, sendo os adultos com mais de 65 anos os mais propensos a cair. O risco de hemorragia e gravidade das lesões acompanha esta faixa etária.”
  • "Apesar da terapêutica antitrombótica isoladamente não aumentar o risco de queda, no caso da sua ocorrência há um aumento da probabilidade de ocorrência de lesões”.
  • "A incidência de quedas e danos em doentes internados com mais de 65 anos usando a medicação em análise deverá conduzir ao uso de ferramentas simples na avaliação dos doentes para o risco de danos decorrentes de quedas, como uma medida para a diminuição das lesões particularmente das mais graves”.

Leia na íntegra o artigo ‘Danos físicos resultantes das quedas em doentes internados e medicamentos que aumentam o risco de hemorragia: haverá relação?’
 

voltar